Os internautas encontraram preços até 43% menores, em média, segundo levantamento da BigData Corp. encomendado pelo PayPal Brasil

A Black Friday – sexta-feira que sucede o Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos – vem se tornando uma das datas mais importantes para o varejo nacional, principalmente em sua versão online. Assim como em 2015 e 2016, a edição de 2017 foi um sucesso de público e crítica. Muita gente aproveitou os preços até 43,15% mais baixos para antecipar algumas compras de Natal.

A pedido do PayPal, pelo terceiro ano consecutivo, a Big Data Corp. monitorou mais de 600 mil lojas de e-commerce em todo o País nas quatro semanas que antecederam a Black Friday, que, este ano, aconteceu no dia 24 de novembro. E os resultados são os seguintes:

  • Segundo o levantamento da BigData Corp., a esmagadora maioria (mais de 99%) dos e-commerces brasileiros aderiu (no intervalo de quatro semanas pré-Black Friday) à febre de promoções online da data comercial mais expressiva da internet. Entre os grandes e-commerces, com mais de 500 mil acessos por mês, a adesão foi de 100% na Black Friday. Entre os pequenos, com menos de 10 mil acessos mensais, ela chegou a mais de 99%.
  • As ofertas estiveram bem abaixo dos preços normais e representaram oportunidades de descontos praticados pelos e-commerces – e uma possibilidade real para que os consumidores pudessem antecipar algumas compras de Natal. No entanto, as promoções foram menores do que em 2016. Duas semanas antes da Black Friday, os descontos deste ano bateram em 12,06% (contra 14,7% no ano passado e 6,69% em 2015); uma semana antes da data, os descontos recuaram para 12.34% este ano (contra 22,67% em 2016 e 17,29% em 2015); e na Black Friday propriamente dita, os descontos atingiram o pico de 13.76% este ano (contra 35,27% no ano passado e 30,86% em 2015).
  • No top 5 das categorias em que a pesquisa Big Data Corp. encontrou os maiores descontos, medalha de ouro para os brinquedos (57.99%), seguidos por eletro-eletrônicos (36.36%), roupas e acessórios (21.38%), turismo (20.34%) e cosméticos (10.57%).
  • Este ano, 64% das lojas online começaram a “falar” sobre a Black Friday mais de um mês antes da data – algo que nenhuma delas havia feito no ano passado; e somente 7,8% já vendiam com desconto com tamanha antecedência em 2015. Como um todo, o índice de adesão subiu em relação a 2016. Este ano, três semanas antes da data, 77.5% dos e-commerces já haviam aderido à Black Friday (em 2016, o índice foi de 10,14%; em 2015, de 24,3%); até duas semanas antes da data, 83.04% (em 2016, eram 46,8%; em 2015, 54,8); e até uma semana antes da data, 97.03% (eram 67,4% em 2016; e 75,9% em 2015). Já no dia da Black Friday, praticamente 100% dos e-commerces pesquisados haviam aderido à data este ano – contra 92,6% em 2016 e 89,4% em 2015.

Os números da Black Friday este ano confirmam que a data entrou para o calendário do varejo, principalmente o online, e se tornou uma importante oportunidade para vender mais, fidelizar os clientes já estabelecidos e aumentar a fatia de mercado. O PayPal vem fazendo sua parte, investindo em segurança para seus clientes e também parceiros, além de criar serviços que facilitam a vida de quem quer comprar online. É o caso do One TouchTM, que proporciona checkout rápido e seguro para os clientes PayPal, que não precisam redigitar usuário e senha a cada transação.
Thiago Chueiri, diretor de Desenvolvimento de Negócios do PayPal Brasil.

Essa é uma das pesquisas sobre varejo mais interessantes porque funciona como um termômetro. Graças a ela podemos medir o quanto uma crise é significativa ou o quanto o mercado está se recuperando. E foi-se o tempo da Black Fraude no Brasil. O varejo nacional entendeu que a data é, sim, uma oportunidade para bons resultados. Nossos números comprovam que a Black Friday 2017 foi um sucesso de vendas online no País.
Thoran Rodrigues, CEO e fundador da BigData Corp.