Um dos meus “defeitos” é o de não saber falar NÃO. Por muito tempo atendia a todos que me procuravam em busca de uma ajuda técnica, alguma dica de internet, alguma solução on-line para suas empresas, etc. Fazia isso pois não era a minha atividade principal. Eu tinha emprego fixo, salário pingando mensalmente na conta e acreditava que “ajudar” aumentava e fortificava meu networking.

Depois que saí do meu último emprego, optei por empreender. Decidi cuidar da minha pequena empresa de consultoria web que estava deixada de lado e tocar 2 projetos que eu sempre quis ver on-line. Mas nem por isso deixei de ajudar quem me procura, apenas aprendi a separar o que é ajuda de verdade do que é trabalho. E saibam, existe uma diferença muito grande. E aos poucos estou conhecendo qual é o limite ou fronteira da ajuda pessoal da ajuda profissional.

Ontem posso dizer que esta fronteira foi definitivamente delimitada.

Eram 22 horas. Estava cansado. Havia trabalhado das 08:00 às 20:00, direto. Eu me permiti parar de trabalhar para poder jantar, ver o jogo do Corinthians e gravar o piloto de um Podcast junto com outros 2 amigos. Quando de repente chegou um SMS… (vejam o restante da história na imagem abaixo e me desculpem desde já se fui estúpido demais).

cara-de-pau