Na noite desta terça eu estava lendo alguns “tweets” quando me deparei com a seguinte pergunta, feita pelo pessoal do Ponto Marketing: “As Eleições 2010 serão as eleições do marketing político na internet?”. Minha resposta foi: Definitivamente não. (Leia aqui o artigo que gerou esta questão).

O Brasil é um país com população superior a 180 milhões de habitantes e mais de 60 milhões de computadores conectados. Mesmo com estes números, este ano não foi o do Marketing Político na Internet brasileira.

Confesso que assisto o horário político ao menos uma vez por semana. Dou risada com os diversos personagens que estão concorrendo, mas também presto atenção nos candidatos “sérios” e na qualidade da produção de seus vídeos e, principalmente, se a Internet faz parte de sua estratégia de comunicação. Sem citar nomes, ainda são poucos os candidatos que convidam os espectadores a visitarem seus sites para conhecer melhor suas idéias e propostas.

O Marketing Político certamente deu um passo à frente nestas eleições. O uso da Internet pelos candidatos foi muito mais expressivo, principalmente após o excelente exemplo dado por Obama em sua campanha para presidente dos EUA. Muitos por aqui tentaram copiá-lo, mas ainda falta muito para alcançarmos o mesmo nível dos americanos. Não é porque a estratégia de Obama deu certo nos EUA, que os candidatos brasileiros obterão o mesmo aqui no Brasil. Brasil e EUA são países completamente diferentes e com culturas completamente distintas, principalmente no que diz respeito à política e ao uso da internet.

Marina, Serra e Dilma bem que tentaram. De captação de doações on-line ao uso das diversas mídias-sociais (com destaque para o Twitter), os candidatos estão fazendo o possível para conquistar novos eleitores, porém, acredito que tais ações não fizeram muitos eleitores mudarem de idéia ou a se decidirem em quem votar. Por outro lado temos as questões jurídicas que impedem que o Marketing Político cresça na Internet brasileira. Desde a última eleição tivemos grandes avanços, mas ainda insuficiente.

Responda com sinceridade: você visitou alguma vez os site dos seus candidatos a presidente, governador, deputado e senador para conhecer suas idéias, seus planos de governo, etc? É muito provável que você tenha respondido NÃO. E isso reflete a cultura brasileira em relação à política na internet.