Inclusão digital nos lares brasileiros traz aumento, segundo Estudo da Parallaxis Consultoria em parceria com a ABComm.

Em 2016, o e-commerce brasileiro faturou R$ 53,4 bilhões e registrou um crescimento de 11% em relação a 2015. Já em 2017 a previsão é que o setor repita o desempenho e alcance R$ 59,9 bilhões. Estes números estão presentes no relatório Economia & E-commerce, organizado pela Parallaxis Consultoria, em parceria com a ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico).

O relatório fornece uma análise sobre o setor de e-commerce e indicadores da economia em geral. Ele aponta que a taxa média de desemprego foi de 11,2% nesse ano, e será de 11,6% em 2017. Esse crescimento se deve ao fato do país ainda não ter conseguido superar os últimos acontecimentos na economia e estar sentindo o efeito das políticas econômicas.

Para Mauricio Salvador, presidente da ABComm, a crise não muda a trajetória de crescimento do setor, mas afeta seu potencial. “Se por um lado a expansão e elevação da Classe C e D, para a classe média aumentou o poder de consumo dos brasileiros, por outro a crise econômica teve um efeito negativo que afetou essa nova camada social”.

Diego Machado, sócio da Parallaxis destaca as causas para diminuição do ritmo de crescimento do comércio eletrônico no Brasil: fatores como os altos juros, níveis de confiança do consumidor mais baixos por conta das incertezas do mercado e redução gradativa da taxa de crescimento do saldo para cartão de crédito. Por outro lado, a inclusão digital nos lares brasileiros vem sendo fundamental para o crescimento do segmento nos últimos anos.

O relatório completo está disponível AQUI.